Como um tema padrão

Durante os preparativos para a formatura de medicina de um primo, ele chegou para mim e disse “Sabia que tem um designer gráfico na cidade cujo nome é igual ao seu?” A cidade a qual ele se referia era aquela que eu residia na época, Aracaju; e o nome era Bruno Barros, que, até então, era como eu assinava meus trabalhos de design. Lembro que fiquei extremamente incomodado com a idéia de que numa pequena cidade como Aracaju havia um outro profissional do design que atendia pelo meu nome. Sério, estatisticamente falando, qual seria a real probabilidade disso? Então, por um tempo, voltei a assinar os meus trabalhos como B.O.B., iniciais do meu nome completo. Aos oito anos de idade eu desenhava um novo super-herói criado por mim (como o Capitão Linguiça, por exemplo) e prontamente assinava B.O.B. no canto do papel A4. Com o passar dos anos, as pessoas aprenderam a me chamar de Bob, mesmo que na assinatura eu escrevesse B.O.B. com pontos e tudo. Já no fim da adolescencia e trabalhando profissionalmente, passei a achar prudente usar uma assinatura menos jardim de infância e optei por fazer uso por extenso do meu nome, suprimindo apenas o do meio, Oliveira. Ficou, pois, Bruno Barros por alguns anos, até que eu tomei conhecimento do concorrente de mesmo nome por meio do meu primo. Então, como disse, voltei a adotar B.O.B. mesmo que a contragosto e tomado por rancor. Sim, eu poderia muito bem ter confrontado cara a cara meu algoz. “Quem diabos você pensa que é pra assinar por aí com meu nome?”, eu perguntaria encostando o dedo no seu tórax magro. “Mas, mas, mas Bruno Barros é o meu nome também”, ele diria. “Era!”, eu responderia seco. Ah, mas esse confronto seria tão desgastante e na época bateu uma preguiça enorme de levar esse embate à cabo. Pouco tempo depois de retomar o B.O.B., vim morar no Rio de Janeiro a fim de dar início a uma carreira acadêmica paralela à de mercado. De início, fiquei tranquilo em poder retomar meu Bruno Barros e as memórias da duplicata aracajuana começaram a sumir como resfriado em dia de sol. No entanto, para a minha completa estupefação, descobri recentemente que temos um outro Bruno Barros designer gráfico residindo e atuando no Rio de Janeiro. Isso mesmo, um terceiro Bruno Barros atuando na área de design. Esse tem até site com portfolio e segundo seu currículo é mais velho que eu, o que me coloca numa posição de submissão angustiante, já que o Sr Tempo o legitima. Ferido, mas sem ânimo para me desgastar demais com o duro golpe, logo decidi me redimir com o Oliveira e retoma-lo à assinatura por meio de abreviação, que ficou Bruno O. Barros. Será, portanto, apenas a fragilidade desse O. que me separa dessas duplicatas? Quem são, afinal, esses outros Bruno Barros? Por que diabos são todos designers? A sensação que dá é a de que eu sou um avatar padrão, desses prontos quando você cria uma conta num site ou num fórum qualquer; ou pior, que eu sou um daqueles temas padrões que o Google oferece quando você cria um blog no Blogger. A fim de terminar minha vida longe dessas cópias, preciso focar na sequência inimitável, no bom e velho B.O.B., seja por extenso ou assim, por redução. Basta de Bruno Barros! Nunca se sabe quando um desses vai aparecer para te oferecer serviços de design. Fica a certeza, porém, de que B.O.B. só há um, pelo menos até a próxima má notícia.

This entry was posted in Tese and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

7 Responses to Como um tema padrão

  1. Kelma says:

    Adorei o texto!!
    Que agonia esse povo com o mesmo nome que vc!!
    Se algum dia eu encontrar uma Kelma Paiva, dentista, em Aracaju, eu caio pra trás :P

  2. Susan says:

    B.O.B. é muito melhor que Bruno Barros. Eu não consigo visualizar outro B.O.B., designer, aracajuano ou, quiçá, residente no Rio…

  3. Ramon says:

    Bob, recebi sua mensagem… separe esse sábado (27/12) pra um churrasco ou feijoada no sítio. Ah! To tentando montar um blog, dê uma espiada e diga o que achou.. ainda estou me habituando com o WordPress.
    abração.

  4. Alexandra Freire says:

    Estatística maldita rsrsrsr
    Não acho B.O.B infantil, aliás é minha opção favorita entre as três.

  5. Ana Maria says:

    Nao tenho dúvida que B.O.B é vc por completo, pode ter certeza qu Bruno Barros nao era vc por inteiro, e uma pessoa como vc só combina com um nome por inteiro.
    Bjs.

  6. Bruno Barros says:

    Olá B.O.B.!
    Eu sou Bruno Barros, designer, de Niterói! haha Que coisa heim. Não fique tão chateado assim, vamos nos diferenciar pelo nosso trabalho, não é mesmo?

    Abs.

    PS: Dá uma olhada no blog pelo Chrome, o fundo fica azul e não há contraste com o texto.

  7. Lucas says:

    Aahahaha! Ainda bem que meu sobrenome não parece ser muito comum ;D

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>