Juliana Alves é negra e capa da Playboy!

Juliana Alves, a única ex-BBB que deu certo mesmo (se você considerar que Grazi não sabe mesmo atuar), vai ser a capa da Playboy desse mês e até agora não vi nenhum portal de notícias alertando para o seguinte fato: ela é negra. Eu gostaria de poder dizer que esse silêncio calculado é um mistério, mas não dá, eu tenho uma hipótese que pode explicá-lo.

Antes de mais nada, muitos devem se perguntar, “Mas para que diabos noticiar que ela é negra?” A resposta simples é que num país em que a Playboy tem 56 anos de existência, e quase 700 números lançados, essa é a segunda vez que uma mulher negra será capa da revista. A primeira foi em 1996, com Isabel Filardis. Ou seja, é um número no mínimo pavoroso para um país em que parte expressiva da população é efetivamente negra. “Mas ressaltar esse fato não é uma forma velada de racismo?” Não! Falar sobre racismo não é racismo. Essa noção de que não devemos falar certas coisas, pois se o fizéssemos estaríamos sendo racistas é a forma mais eficiente de contribuir com o racismo silencioso que existe no Brasil — afinal, sem discussão sobre as cotas, como saberíamos quem é racista?

Infelizmente, esse racismo é difundido como um não-racismo por figurões da grande mídia brasileira. Esse é o caso de Ali Kamel e seu livro Não somos racistas. Kamel é, simplesmente, o diretor-chefe da Central de Jornalismo da Rede Globo (é tanto poder que aposto que ele tem o seu próprio mini-mim) e em seu popular livro traz um discurso que só reforça a noção de que somos uma nação igualitária, sem raças e que falar em racismo é, em si, racista. Ah, tá bom, vamos ficar calados então e esperar que a desigualdade brutal que se enxerga a olho nu se resolva por conta própria. Por seleção natural, talvez.

E enquanto ninguém tem coragem de falar que Juliana Alves é a segunda negra a ser capa de uma revista masculina mensal que existe desde 1975, terminemos esse post com uma ironia suprema.

This entry was posted in Tese and tagged , , , . Bookmark the permalink.

2 Responses to Juliana Alves é negra e capa da Playboy!

  1. Alexandra Freire says:

    De fato, não podemos falar sobre racismo….nos olham estranho se somente tocarmos no assunto…
    Se está na Playboy é porque tá em alguma novela, programa de TV do momento ou banda musical do momento….como dificilmente ” colocam e destacam” negros nesses ” ambientes”, não espere vê-los nessa revista…
    Obs: Isabel Fillards é linda, inteligente e muito gostosa… até hoje!…Ainda não vi a Playboy da Juliana…

  2. PAULO H C P ROMANI says:

    Putz, me perdoem, mas, odeio gente que fica batendo nessa tecla de “negro revoltado”. Não me considero racista porque não faço campanha para exterminar a raça negra, mas, não sou hipócrita. Caucasianos são
    mais evoluidos: mais bonitos, mais inteligentes, conquistadores, etc. Não adianta criar leis hipócritas que confrontam-se com as leis naturais. Bem, com relação a Juliana Alves, ela saiu na Playboy porque é linda e muito deliciosa. Se a grande maioria das capas de playboy foi de garotas brancas é porque essas são mais bonitas e gostosas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>