Aos bucaneiros, tudo!

Se na Inglaterra o chororô veio de Lily Allen, aqui no Brasil vem de Fred Quatro Zero… hã? Fred Quem? Fred Quatro Zero é vocalista do Mundo Livre S/A, banda de Recife, uma das filhas do manguebeat e que acabou de dar sinais de cansaço nessa última entrevista do seu vocalista ao site da Globo.

Lily Allen, que teve sua curta carreira construída a partir da liberdade da Internet, de uns tempos pra cá resolveu fazer um blog chamado It’s Not Alright, onde criticava aquilo que ela considera download ilegal de música. No blog, Sra Allen atirava para todos os lados, criticando a postura do Radiohead, por exemplo, que disponibilizou seu último álbum para download gratuito. O argumento da Sra Allen é que é fácil dar música de graça quando você já é um rockstar, mas que o download indiscriminado prejudica os artistas que estão começando. No entanto, a Sra Allen esquece que ela mesma é prova material do argumento inverso. Hoje a Sra Allen nem é tão grande e já se encontra num momento mimimi-cadê-meu-dinheiro, assim como colossos como U2 e Elton John. Enquanto isso, o download livre permite que muitas bandas sem visibilidade dêem um pontapé inicial em suas carreiras. Os exemplos são inúmeros, mas como exemplo maior temos o Arctic Monkeys num âmbito mundial e, no Brasil, coisas como Mallu Magalhães (que, com vossa licença, adoro), Mombojó (provavelmente nossa melhor banda na ativa) e Moptop (a melhor do Rio). E antes da Internet? Antes ou éramos obrigados a nos limitarmos ao cânone Titãs, Paralamas, Barão, etc., ou éramos punidos com coisas como isso, isso ou isso. Não era fácil, acredite.

O fato é que a Sra Allen foi amplamente criticada e combatida (acho que essa é a expressão correta) em seu blog. Sem argumentos, irritada, fazendo bico e batendo o pé no chão, numa atitude muito parecida com a nossa Rainha dos Baixinhos, a Sra Allen não só decide fechar o blog onde criticava a pirataria, quanto dá a atender que desistiu da carreira musical. Ha, ha, ha (com vírgula e tudo), quero ver se ela manterá essa opinião quando o dinheiro do pó começar a acabar. Por enquanto, ficamos com a estilosa carta de despedida que o rapper Dan Bull fez para a Sra Allen.

E agora, do outro lado do atlântico, ficamos com o mimimi de um tal Fred Quatro Zero, que reclama da pirataria em entrevista ao site da Globo. O fato dessa entrevista ter sido publicada pelo G1 tão perto do fuzuê da Lily Allen e seguida de outras matérias sobre o combate à pirataria dá até medo… fico imaginando o que há debaixo dos cobertores. Vocês estão sentindo um certo cheiro de azeredo no ar, ou sou só eu? Fred acusa os defensores da pirataria de culto ao tecnológico (?) e faz uso da patética analogia em que iguala o download livre ao roubo de comida numa feira, por exemplo. Se há algo nessa analogia que procede, certamente é o fato de que precisamos de música tanto quanto de comida, nada além disso. Quando você baixa uma música da internet, você não rouba nada. O suéco (sempre a Suécia) Karl Sigfrid observa com sobriedade que é impossível roubar algo que seja infinito, como um arquivo MP3. Vide esse esqueminha que demonstra as diferenças entre roubo, quebra de direito autoral, compartilhamento de arquivos e pirataria.

Outro argumento de Fred Quatro Zero é que o download indiscriminado prejudica a indústria fonográfica como um todo, do artista ao cara que serve o cafezinho durante as gravações. O argumento procede, mas soa como lamento. A tal indústria fonográfica está diante de um problema que ao invés de ser peitado (que é o que vem sendo feito até então), deveria ser usado como subsídio para a construção de um novo modelo de negócios. Em outras palavras, o problema não é nosso. Como foi dito por Silvio Meira, a Caixa de Pandora foi aberta e não dá mais para fechá-la. Cabe às gravadoras descobrirem novas formas de capitalização. Sem dúvida, a criação de portais de acesso gratuito às músicas dos artistas contratados seria um grande passo em direção à possibilidade de se capitalizar através de publicidade nesses sites.

Por fim, o argumento mais surpreendente de Fred Quatro Zero é  algo que nunca ouvi sair da boca de nenhum outro músico — talvez por vergonha de admitir ou por bom senso. Fred diz que agora que baixam suas músicas ilegalmente, ele precisa trabalhar para ganhar dinheiro (!). Taí uma realidade muito distante daquela do artista independente, como eu, que vê a possibilidade de fazer shows como uma benção dos céus. Enquanto isso, Fred do Mundo Livre S/A simplesmente reclama do fato que agora ele precisa fazer shows para viver. Ele não pode mais simplesmente virar a bunda pra Lua e dormir durante 2 ou 3 anos de inércia em sua rede na varanda. De tão sincero, o respeito por isso, mas, mesmo assim, ofereço-lhe um foda-se capital. Talvez se o download de músicas tivesse existido desde a década de 70, hoje ainda teríamos shows de Chico Buarque, que, infelizmente, acomodou-se em sua rede na varanda e só sai para enviar o MP3 de uma música sua para Manuel Carlos.

E dá-lhe dinheiro.

This entry was posted in Tese and tagged , , , , , . Bookmark the permalink.

One Response to Aos bucaneiros, tudo!

  1. Kelma says:

    Agora precisa trabalhar é dose!! E eu só me lasco!!
    Tem gente que ainda não viu que tentar combater a pirataria é dar murro em ponta de faca. O cara tá fazendo igual a Sandy: “Se piratearem meus cds eu vou ficar pobre!” kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>